Disciplinas de Cursos Superiores

Análises das matérias de cursos superiores escritas por estudantes universitários e graduados das universidades: USP, UFMG, UNIP, UERJ, UFJF, UFOP, UNIFESP, Unigranrio, PUC-SP, UFSC, Fatec-SP, UFABC, UFF, UFPI, ULBRA, entre outras.


História do Pensamento Econômico. Faculdade de Ciências Econômicas



O curso de História do Pensamento Econômico tem como principal objetivo a promoção de uma discussão acerca das diferentes teorias e interpretações sobre a Economia nos diferentes períodos dá história da sociedade.

O que se estuda

No curso, estuda-se a História do Pensamento Econômico como retórica, vendo-se interpretações que a colocam como soft science e outras que a abordam como hard science no estudo de Economia ciência.

No mais, estuda-se a pré história da Economia, principalmente os filósofos políticos como Maquiavel, Hobbes, Montesquieu e Locke, comparando os diferentes elementos e perspectivas do período em que as relações de troca ainda não eram intermediadas por moedas propriamente ditas como é hoje; do Mercantilismo, da expansão marítima em busca de metais preciosos, e da Fisiocracia.

A partir daí, há grande foco para 3 dos grandes pensadores dá Economia: Adam Smith, Ricardo e Marx, estudando suas teorias político econômicas detalhadamente, tendo 2 ou 3 aulas para se falar sobre cada um, além de contrapô-los (principalmente Marx em relação a Smith e Ricardo)

E, por fim, dá-se destaque também a Revolução Marginalista, abordando principalmente Jevons, Menger e Walras; aos utilitaristas Bentham e Mill, o desenvolvimento tecnológico na ótica de Schumpeter, a Revolução Keynesiana na crise de 29 nos Estados Unidos e o intervencionismo estatal, além de desdobramentos mais recentes.

É um curso que, quando ministrado nos primeiros semestres, em especial o primeiro, lhe dá uma amplitude de perspectivas acerca da Economia, e quando é dado ao fim da graduação, tende a esclarecer as razões de porquê se discutiu tudo aquilo visto até então.

Na Bibliografia, grande foco a autores de Economia Política como Bianchi, Arida e Coutinho e Napeleoni, o professor da disciplina,

Doutor Manuel Ramon, acrescentou um fragmento de sua Tese de Doutorado “Porque a Economia não é uma Ciência Evolucionária: Uma hipótese antropológica a respeito das origens cristãs do Homo Econômicas; além dos próprios autores diretamente na fonte e pode-se estudar também pelo livro História do Pensamento Econômico do Hunt.

Dificuldades

A dificuldade da disciplina é entender as variadas interpretações dos teóricos em diferentes períodos do tempo, não cometer anacronismos e não confundir idéias. A disciplina tem um forte teor filosófico. Ter-se dado a História do Pensamento Econômico como retórica ajudou muito o aluno a se “encontrar no tempo” e como se estudar a disciplina. Não se dá muito foco às formulações matemáticas das teorias, e, no debate, tenta-se enxergar o cenário de como se as ideias de cada autor no mundo contemporâneo, tanto no Brasil como na Economia Internacional.



Veja também:

CURSOS NAS ÁREAS:

  • Exatas
  • Humanas
  • Biológicas

© 2016-2017   |   faculdades.inf.br   |   Em Jesus Cristo nós confiamos