Disciplinas de Cursos Superiores

Análises das matérias de cursos superiores escritas por estudantes universitários e graduados das universidades: USP, UFMG, UNIP, UERJ, UFJF, UFOP, UNIFESP, Unigranrio, PUC-SP, UFSC, Fatec-SP, UFABC, UFF, UFPI, ULBRA, entre outras.


Faculdade de Filosofia: Disciplina Filosofia Política



Filosofia Política é uma disciplina obrigatória no curso de Filosofia, bacharel e licenciatura. Uma matéria que consegue englobar toda a problemática que há na vida coletiva, buscando um bem-comum que unifique as diversidades encontradas em cada indivíduo.

Antes de discorrer sobre o assunto, importante pontuar um esclarecimento causado pela confusão promovida pela frustração com o tema. Muitas pessoas podem mostrar menosprezo por esse tema por compreenderem que quando se fala de política se associa automaticamente ao que ocorre em um parlamento corrupto. “Uma verdadeira máquina de sangria com o dinheiro público”, isso que pensam.

A confusão propagada, que leva ao esvaziamento do sentido da Política também é um problema a ser levantada pelos estudantes de filosofia. Se a Política é tão importante em nossa vida, por quê a menosprezamos? Onde que a Política se expressa em nosso cotidiano além do que ocorre no Congresso? O que é um ser Político?

Questionamentos importantes a serem levantados, mas que não conseguem, quando feitos de forma isolada, responder a seguinte pergunta: Afinal, para que serve a Política?

A busca pela resposta nos leva a outras indagações, como “O que é cidadão?”, “O que é democracia?”. E isso, do ponto de vista do filósofo, o constante questionamento de tudo que cerca a nossa vida, de tudo que forma o nosso cotidiano, é uma ponte para o conhecimento. Pois, como Sócrates apontou, o reconhecimento da ignorância é a busca para a sabedoria.

Filosofia Política a partir de uma experiência própria

Um dos momentos que mais me fez pensar sobre esse tema, e querer problematizá-lo, foi uma propaganda de televisão que determinado parlamentar ressalta a importância de exercermos a cidadania. Na propaganda mencionada, o candidato, de forma bem contraditória, condenava a quem se interessava pela política, fazendo coro com o senso comum de que política é sinônimo de corrupção e escândalos.

Lembrei das aulas na faculdade, quando a professora iniciou a disciplina colocando o que é Política, destrinchando sua palavra, que vem do grego politikos, significando aquilo que é relacionado à vida em comum, na cidade, na Pólis. Vida em comum que nos faz pensar o papel do indivíduo nela. O Estado, segundo Aristóteles, surge a partir da necessidade dos indivíduos em viver em sociedade. E somente assim, unidos pelo bem comum, que a satisfação das necessidades serão saciadas.

Então, após essa lembrança, percebi o quanto faz falta Filosofia Política em nosso cotidiano. A imprecisão na definição dela, faz com que seja impregnado como verdade inquestionável termos pejorativos a tudo referente ao nosso dia-a-dia. E mais, a aceitação da tese de que Política é referente a apenas o que ocorre no parlamento é a negação do que Aristóteles, entre outros, defendeu: que a política não pode ser restrita, pois ela serve para a sociedade e por isso cabe ao coletivo, e não a um grupo limitado de indivíduos, decidir como intervir e mudar os rumos da vida humana.

O que estudar?

Mas a Filosofia Política não se resume a somente levantar como problema, mesmo que importante, o que é viver em sociedade. Outro apontamento dela é o que é o questionamento sobre o caráter do Estado e suas contradições, encontrado em Hobbes, Marx, Althusser; a relação da moral com a política, em Kant e Maquiável; a questão da servidão e emancipação, em Rousseau e Montesquieu; sobre totalitarismo e seus reflexos na sociedade, como Arendt aborda; ou até mesmo sobre a diáspora africana e seu resultado na América Latina, como Dussel levanta.

Todas abordagens muito importantes para o estudante de filosofia começar a estudar, sabendo que não acaba por aí. O comprometimento com o ensino desse tema faz com que o estudante veja a importância da disciplina na aplicação nos detalhes de seus cotidiano, desde a formação do Estado até uma simples propaganda eleitoral onde um candidato fala que política é ruim.

Eduardo Henrique Nascimento Silva, bacharel e licenciado em Filosofia pela PUC SP



Veja também:

CURSOS NAS ÁREAS:

  • Exatas
  • Humanas
  • Biológicas

© 2016-2017   |   faculdades.inf.br   |   Em Jesus Cristo nós confiamos