Disciplinas de Cursos Superiores

Análises das matérias de cursos superiores escritas por estudantes universitários e graduados das universidades: USP, UFMG, UNIP, UERJ, UFJF, UFOP, UNIFESP, Unigranrio, PUC-SP, UFSC, Fatec-SP, UFABC, UFF, UFPI, ULBRA, entre outras.


Faculdade de Engenharia de Produção: Tópicos de Matemática



Para se estudar engenharia não é necessário ser um gênio da matemática, porém não podemos ser avessos a ela, pois fazemos cálculos constantes neste curso, e muitos alunos acabam desistindo do curso na metade, essa desistência é causada pelo desinteressa na matemática.

Como disse anteriormente temos que ter pelo menos o interesse na matemática, mas se você é bom na matéria, se você gosta dos cálculos garanto que está no curso correto e vai ser um excelente profissional.

As aulas o que aprendemos

Nas aulas de matemática que tive no curso de engenharia da produção, me remeteu ao ensino médio pois os tópicos que estudávamos estava diretamente ligado ao ensino médio, o que foi apresentado para nos alunos era, derivados e integrais, exponenciarão, logaritmo, trigonometria, como disse tópicos que eu estudei muito no ensino médio.

Nas aulas de tópicos da matemática estudávamos muito matemática aplicada e seus conceitos no meu caso não tive aquele medo que o aluno tem quando escuta a palavra “matemática” eu não era o gênio da matemática, mas sempre tive notas boas e até gostava da matéria. Esse foi um dos motivos que escolhi Engenharia da Produção como meu curso superior.

Estudávamos os conceitos pois derivadas e integrais são baseadas em seis funções básicas que são, função numérica, função potência, função logaritmo, função seno, função cosseno e função exponencial. E esta parte da matemática é fundamental para os engenheiros.

Nas aulas nos foi detalhado o que eram derivadas e integrais, e aprendi a pensar em derivadas como a taxa de variação, e esses cálculos são muito importantes na engenharia pois como se trabalha com maquinas com regulagem de maquinas quantidades de produtos e as reações, esses cálculos tem que ser perfeitos. Para não acarretar prejuízos e desperdícios na produção.

Aulas

As aulas de tópicos da matemática eram muito dinâmicas, estudávamos matemática aplicada tive oitenta horas aulas e eram cálculos da primeira aula até a última, focávamos nos conceitos básicos e aplicávamos. Nestas aulas usávamos muitas equações do primeiro e segundo grau.

Fora a aversão que alguns alunos tinham pela matemática, no mais as aulas eram bem instrutivas.

As dificuldades

No meu caso não tive dificuldades pois como já mencionei eu não fui um aluno nota dez em matemática, porem sempre tirei notas boas no ensino médio. Em relação aos demais alunos alguns desistiram do curso. O que eu percebi realmente quem entra em um curso como o de engenharia da produção precisa tem o mínimo de afinidade com a matemática, pois em todas as matérias do curso a matemática está presente.

Os professores

O professor desta matéria era muito bom, mas na mesma proporção ele era impaciente com alguns alunos, ele sempre batia na mesma tecla, dizendo que o que estávamos estudando já conhecíamos pois era matéria aprendida no segundo grau, e alguma coisa que mudava, mas no demais era igual.

Isso fazia com que alguns alunos tivessem mais e mais pavor da matéria.

O professor era bom, mas lhe faltava paciência.

Conclusão

Para quem está pensando em cursar uma universidade, e entrar no curso de engenharia da produção eu digo tenham afinidade com a matemática, pois ela é muito utilizada neste curso, se o formando não estiver em sintonia com a matemática o curso se tornará insuportável.

Acarretando desistência.

Diego Hipolito Engenharia de Produção Uninove - 2013



 

Veja também:

CURSOS NAS ÁREAS:

  • Exatas
  • Humanas
  • Biológicas

© 2016-2017   |   faculdades.inf.br   |   Em Jesus Cristo nós confiamos