Disciplinas de Cursos Superiores

Análises das matérias de cursos superiores escritas por estudantes universitários e graduados das universidades: USP, UFMG, UNIP, UERJ, UFJF, UFOP, UNIFESP, Unigranrio, PUC-SP, UFSC, Fatec-SP, UFABC, UFF, UFPI, ULBRA, entre outras.


Faculdade de Ciências Contábeis: Avaliação de Empresas



A avaliação de uma empresa tem suas particularidades, não é uma tarefa simples, considerando até mesmo que o proprietário de uma empresa tem uma ideia sobre a empresa, e sempre vai valorizar o seu investimento, por este motivo existe a avaliação das empresas por métodos legais, para que não esta avaliação seja imparcial.

Aulas

As aulas que eu tive sobre avaliações de empresas eram aulas extracurriculares, eram aulas ministradas aos sábados, essas aulas eram ministradas pelo mestre Durval, um ótimo professor. Como disse eram aulas ministradas aos sábados eram extracurriculares, mas, valiam pontos e posso afirmar que esses pontos ajudaram vários alunos.

Logo no início das aulas eu tinha um pensamento sobre avaliação de empresas completamente equivocado, em minha “ignorância contábil” eu pensava que para se avaliar o valor de uma empresa, somente precisávamos saber o valor de capital inicial, o que vendia e se tinha lucros. E essa pergunta foi feita logo no primeiro dia de aula “ como se avalia o valor de uma empresa” e foi exatamente essa resposta que eu dei.

Claro que eu estava errada, mas o professor não foi alheio a minha resposta e nos disse “ a maioria das pessoas pensam dessa forma, e eu não as culpo” o que o professor nos explicou foi que a maioria das pessoas pensavam assim e que para se avaliar o valor de uma empresa existem métodos legais para isso, e ele estava ali para nos ensinar isso, e assim foi.

O mestre nos apresentou os métodos usados que eram: o método contábil, o método de avaliação, o de mercado, os múltiplos e o fluxo de caixa descontado.

Bom a minha dificuldade começou aí, pois logo nos foi dito que o método contábil era o menos utilizado, eu não entendia o motivo deste método não ser utilizado com frequência. O que eu pensava era, que se estávamos falando em contabilidade e avaliar o valor de uma entidade, o correto seria usar o método contábil. Foi onde o mestre me disse que o meu pensamento inicial sobre avaliação do valor de uma empresa era exatamente o método contábil, e eu não poderia pensar dessa forma pois uma empresa tinha vários setores que precisavam ser considerados e foi isso que ele nos explicou.

Conforme as explicações de cada método íamos entendendo e a mente se abrindo. No momento em que nos foi explicado todos os métodos entendemos claramente o motivo de não se usar o método contábil.

Depois de todas as explicações, podemos concluir que a avaliação por fluxo de caixa descontado é o mais completo e indicado pois engloba o todo de uma empresa sem deixar nada para traz.

Tínhamos aulas completamente teóricas, mas assim que nos foi explicado todos os métodos, começamos com as aulas práticas para podermos comparar cada método. E essas aulas nos deixaram a certeza de que o método mais completo realmente era o fluxo de caixa descontado. Essas aulas práticas foram importantíssimas, sem tirar o mérito das aulas teóricas que foram a maioria.

O método mais completo

Para um rápido entendimento a Valore Brasil uma empresa de consultoria muito conceituada e com profissionais altamente qualificados define o método fluxo de caixa descontado como: nesse método o valor é mensurado com base em benefícios futuros que a empresa poderá gerar, ele é bem mais completo que os métodos anteriores, pois melhor retrata o valor justo do negócio.

Contempla a previsão do ambiente externo (consumidores, concorrência, conjuntura econômica, globalização, etc.) o qual irá impactar na estimativa futura do crescimento das receitas, dos custos e das despesas num prazo predeterminado, o método também considera o risco de acordo com o segmento que a empresa está inserida e o custo do capital no tempo para os acionistas e para terceiros.

Além disso, torna-se indicado por estar em conformidade com as novas regras contábeis (Manual da Contabilidade FIPECAFI, 2010) que prescreve que “Ativo é um recurso controlado pela entidade como resultado de eventos passados e do qual se espera que resultem futuros benefícios econômicos para a entidade”.

Conclusão

Ler entender e comparar sempre faz a diferença.

Irene Gomes da Silva FNC carapicuiba mestre Durval



 

Veja também:

CURSOS NAS ÁREAS:

  • Exatas
  • Humanas
  • Biológicas

© 2016-2017   |   faculdades.inf.br   |   Em Jesus Cristo nós confiamos